BahiaBelmonteBrasilCabráliaCamacanEunápolisGuaratingaInternacionalItabelaItabunaItagimirimItamarajuItapebiPorto SeguroTeixeira de Freitas
Por: Gutemberg Stolze
28/01/2020 - 19:52:42

 

 

Um caso de estupro em Porto Seguro ganhou grande repercussão na mídia e Redes Sociais, um índio da etnia Pataxó teria estuprado a carioca Maria do Carmo 27 anos. A vítima relatou que está a uma semana sem dormir por conta de sentimentos de; medo, nojo e raiva em decorrência da agressão.

 

 


A vítima ainda relembra o dia em que acordou com um homem estranho em cima dela, tocando sua vagina com uma mão e se masturbando com outra. O caso aconteceu no último dia 21 de janeiro, no distrito de Caraíva.

 

 

 

“Eu nem sei te dizer como estou me sentindo. Estou muito cansada, não consigo dormir nenhuma noite. Fico conversando com meu companheiro e meu pai, porque estou com dificuldade de dormir. Está sendo bem desgastante esse processo, mas sei que agora não é hora de descansar”, diz ela, que relatou o caso nas suas redes sociais.

 

 

 

A jovem, que é carioca e se mudou para a Bahia há três anos, tinha voltado de uma festa e dormia quando foi vítima do índio pataxó Tacio da Conceição Bonfim. Ela garante que não vai se calar e vai lutar para que o seu agressor seja punido.

 

 

 

Tacio foi preso e autuado em flagrante por crime de importunação sexual e furto do celular da vítima. Além disso, tem o direito de responder em liberdade, caso pague fiança no valor de R$ 3.500, o que não aconteceu até a publicação desta reportagem. Ele está na 1ª Delegacia de Porto Seguro. 

 

 

 

Para Maria, que é formada em Direito e pós-graduada em Direito Penal e Criminologia, a tipificação do crime é absurda. “Me senti muito indignada. Quando terminamos com os autos, o delegado disse que se eu tivesse dito que o agressor inseriu o dedo na minha vagina, ele teria colocado que foi estupro. Como eu não disse, classificou como importunação. Isso é uma coisa ultrapassada. Tentei argumentar, mas eu estava exausta, desassistida e muito abalada emocionalmente. Além disso, o furto é qualificado, pois, aconteceu em repouso noturno”, acrescenta.

 

 

 

Apesar disso, depois da repercussão do caso, Maria disse que as autoridades policiais já entraram em contato com ela para que ela preste novo depoimento ainda nesta semana, para esclarecer algumas dúvidas em relação à agressão. Isso pode fazer com que haja modificação da tipificação do crime, que pode passar a ser considerado estupro.

 

Comunidade Pataxó

 

A reportagem do Imprensananet.com entrou em contato com o Secretário Municipal de Assuntos Indígenas de Porto Seguro, Zeca Pataxó, que nos prestou a seguinte declaração.

 

 

Zeca Pataxó - O fato ocorrido pegou todos nos de surpresa, infelizmente, é algo que de afeta toda a nossa comunidade, entretanto, não podemos deixar que um caso isolado manche a história do nosso povo. O erro cometido deve ser apurado e sofrer as penalidades legais, uma prova que a comunidade pataxó não aprova este tipo de atitude é que os 'PARENTES' não se mobilizaram para arrecadar fundos para pagar a fiança estabelecida pela Justiça.

 

 

 

Por - Gutemberg Stolze / Imprensananet.com

Deixe seu comentário:

Copyright © 2014 Imprensananet - Todos os direitos reservados.
73 99913-8628 (vivo) / 98823-9662 (Oi) / 98155-2730 (Claro/WhatsApp) | contato@imprensananet.com